Revista Eletrönica Null / EMagazine Null

A Revista com a escrita certa do Brasil e do Mundo para bons leitores brasileiros e estrangeiros. / Die Zeitschrift schriftlich mit einigen von Brasilien und der ganzen Welt für gute Leser Brasilianer und Ausländer.

Evento na FBN marca homenagem a um dos maiores bibliógrafos de Niterói e também uma homenagem ao italiano Silvestre Mônaco, pai de Carlos Mônaco

Aníbal Bragança, coordenador do evento “IX Encontro da série Os Livros e a Vida literária do Rio de Janeiro”, abriu a sessão que ocorreu no Auditório Machado de Assis da Fundação da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, sob a presença de Carlos Silvestre Mônaco e Jorge Gandra Mendes. Roberto dos Santos Almeida, um dos ocupantes da mesa, não pode estar presente. Aníbal conduziu um breve resumo da vida e obra de Carlos Silvestre Mônaco, livreiro e produtor cultural da Livraria Ideal. E apresentou os palestrantes ao público. Além disso, durante a palestra houve também um marco de uma homenagem ao livreiro italiano Silvestre Mônaco com a apresentação do livro publicado pela editora USP, e tese de mestrado do professor Aníbal Bragança – Livraria Ideal: Do Cordel à Bibliofilia.

Estiveram presentes no evento a presidenta do (IHGN), Franci M Darigo; a escritora infantil Edel Costa; o presidente da Nova Imprensa Oficial do estado do Rio de Janeiro – Haroldo Zager; o  presidente da Academia de Belas Artes de Niterói – Edson Freire; a apresentadora  da Unitevê canal 17, do Grupo Mônaco Cultura & Saúde – Elizabeth do Valle; o presidente do IHGSG – Marco M Varella; o jornalista – Gentil Costa; a assistente de Carlos Mônaco – Marília Quitanilha, entreas as mídias: A revista Italiana – Comunitá, O Fluminense e outros amigos do palestrante e ouvintes.

O Livreiro, Carlos Mônaco, seguiu com sua palestra, e destacou a função de bibliógrafo como parte de seu aprendizado dado por seu pai, Silvestre Mônaco. “Uma livraria é como uma universidade. E a paixão não é pelos livros e sim pelos amantes de livros. Sobretudo, todo livreiro tem uma história para contar”.

Ao citar obras de sua preferência, Carlos Mônaco, disse que já leu muitas obras nacionais, internacionais, e entre as que mais apreciou foram as obras de autores fluminenses. Entre os livros que teve tanto prestígio em conseguir, foi  a coleção de  “O Bandolin  de Luís Pestarin”. Outras obras citadas foram: 2º Edição de Os Sertões de Euclides da Cunha, Balzac, Clarice Lispector, Machado de Assis, Ágatha Christie, Sidney Sheldon, além da coleção clássica (Platão, Aristóteles, Hipócrates, Sócrates), e muitas outras obras que o facina. Em sua história como livreiro, iniciou com a venda de um livro. ” Comecei com a venda de um livro. E chava que tiraria nota 10 pelo meu pai”, destacou Mônaco.

Em uma homenagem ao livreiro, italiano Silvetre Mônaco, que iniciou a vida em Niterói como engraxate, chegando a livreiro de cordel, Aníbal Bragança, apresentou sua obra de tese de mestrado – Livraria Ideal: Do Cordel à Bibliofilia”, obra editada pela editora da USP. “Aproveito para dizer que esta obra é uma homenagem ao seu pai, Silvestre Mônaco. E agradeço a todos da família, principalmente a sua mãe, D. Francisca Totino Mônaco, porque me dexou acesar todos os documentos e arquivos da livraria,”, informou o historiador.

No final de sua palestra Carlos Mônaco lamentou a perda da biblioteca de Walter Cunha,  e disse ficar muito feliz quando alguém o procura para indicar um livro para ler.

Jorge Gandira Mendes ressaltou a brilhante carreira do imigrante italiano como livreiro em Niterói e abriu o espaço para contar um pouco sobre a trajetrória do imigrante.” Silvestre Mônaco vendia livros usados. E com o passar do tempo, tornei-me freguês da Livraria Ideal. Silvestre Mônaco deixava o cliente ler o livro, e foi assim que chegou de engraxate à livreiro. E o próprio Mauro Couto admirava muito o imigrante Silvetre Mônaco, dizia: “Cuidado com aquele italiano, ele entende muito de livros”. Em considerações finais Jorge disse: “Sinto que o Brasil foi muito feliz em receber a família Mônaco, e por eles ter vindo da Itália para o Brasil”.

No final da palestra Aníbal Bragança retomou a mesa e citou um breve histórico a respeito de Carlos Mônaco: ” Atualmente as grandes livrarias são as livrarias de shoppings e Megastore, no entanto, não possuem pessoas que orientem e saibam sobre o livro. Eu costumava pedir ajuda de Carlos Mônaco para poder comprar uma livraria. Carlinhos é o tipo de livreiro que se formou junto ao pai, junto aos leitores e  junto ao universo dos livros. Ele sabe tudo sobre livros do século XVIII, XIX, e assim por diante. E também referências de épocas que foram editadas e por acervos formados por uma vida inteira. Sabe e leu livros em diversas línguas como inglês, alemão, francês, espanhol, latim, entre outras.

  • Perguntas do público para os palestrantes:

Aníbal Bragança – coordenador da mesa  e professor da (UFF): Qual é a importância de uma livraria para uma cidade ou comunidade?. Você tem feito da Livraria Ideal um ambiente cultural, e faz várias publicações na Livraria. Além de reunir todo sábado, uma vez por semana,  muitos intelectuais de Niterói. E longe de comércio, ensinado pelo pai.

Mônaco: Acho que o papel do livreiro é muito importante na cidade. Tenho sempre encaminhado as pessoas à leitura. Não encaminho obras de Platão, Hipócrates, ou outros clássicos a alguém que não vai saber usar. Passei um acervos para pessoas que iam usar, pois não adianta ficar só para o meu uso. Ou seja, a sociedade precisa ter acesso. E critico o valor do livro com preços elevados em base de R$ 40 reais ou mais. E aplaudo de pé a iniciativa de Haroldo Zager, presidente da Nova Imprensa Oficial,  pelo projeto de livros a preços populares R$ 2 a R$ 3 reais. E nosso evento cultural muito prestigiado em Niterói ” Giro Cultural”.

Marcos V M Varella – presidente do( IHGSG): Acompanhei Carlinhos e acompanhei as obras de seu acervo. E uma delas era uma obra de Fagundes Varella. Carlos Mônaco, você além de Dr. Miguel, encontrou obras do acervo de Fagundes Varella?

Mônaco: Em termos de qualidade e raridade, conheci a melhor biblioteca com obras de Platão, Aristóteles, Hipócrates, Sócrates e outros. Entre as biblioteca e acervo Moura e Silva com histórias da Cia de Jesus; Roberto Lamego, natural de Itaboraí, com edições preciosas de Euclides da Cunha. E os primeiros Sociólogios do Rio de Janeiro que eram da região fluminense.

Maria – Membra  da Academia Luso-brasileira, historiadora: Sabendo que você, Carlos Mônaco é livreiro, caso tenha um livro importante, você teria coragem de vender  ou guardaria para você?

Mônaco: Procurava ter as obras do Bandolinho, e obras de autores fluminenses raras. Procuro dar os livros para pessoas que vão valorizar. É bom passar o livro para pessoas que vão gostar. Passei 8 mil livros do meu acervo para o Centro de Memória Fluminense.

Haroldo Zager- presidente da Nova Imprensa Oficial do estado do (RJ): Sobre o livro impresso e o livro baixado na internet; o livro impresso pode acabar? E sobre o mito de que o brasileiro não lê, é verdade?

Mônaco: Na minha opinião não vai acabar o livro impresso. Com certeza houve uma queda com a internet, e alguns autores foram extintos. Sobre o caso do brasileiro que não lê, posso responder com uma pergunta: “A Imprensa Oficial tem um projeto de livros a preços populares de R$ 2 ou até R$ 3 reais. Quantos livros já vendeu?

Haroldo Zager: Já vendeu mais de 600 mil livros.

Mônaco: Então já está respondido. Há pessoas que gostam de ler e outras que não gostam. Mas sabemos que o livro não ficará extinto.

Elizabeth do Valle – Membra da Academia de Letras de Niterói e apresentadora do Grupo Mônaco Cultura & Saúde do canal 17 – Unitevê: Primeiramente o agradecimento a todos e a você, Carlos Mônaco. Você traz no seu DNA uma grandeza, que é essa pessoa que você é. Como é ampliar a sua livraria para uma emissora de TV?. E como está sendo isso para você?

Mônaco: Eu acho que isso é natural. Nasci para isso, não foi só para vender livros. Tive o desejo de divulgar os institutos. E agradeço as mídias presentes que estiveram e estão sempre comigo, como o Jornal O Fluminense; A Revista Comunitá, e outros mais que estão aqui presentes.

Cláudio Barbosa – estudante de Jornalismo (UFF): Mônaco, na sua opinião, o que tem mais saída de livros na sua livraria para os universitários?

Mônaco: Na parte de Direito, costuma-se sair bastante, mas os livros são mais atuais. Na parte de artes, filosofia, história e letras, costuma-se ter mais procura. Medicina e outras áreas de exatas saem razoável.

Artigo publicado no Grupo Mônaco de Cultura ontem (09) de outubro.(www.grupomonacodecultura.wordpress.com) por Cláudio Barbosa.

por Cláudio Barbosa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Principais acessados

  • Nenhum

Revista Eletrönica Null

Revista Eletrönica Null

Digite seu e-mail para receber notificações em seu correio eletrônico.

Junte-se a 126 outros seguidores

Sally's Serenity Spot

My Spiritual Journey

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d blogueiros gostam disto: